23 de julho de 2024

Monkeypox: vírus nos testículos de primatas reforça possibilidade de transmissão sexual

Washington – Assim como os humanos, primatas também são vítimas do vírus monkeypox, causador da varíola do macaco. E foi nestes animais que cientistas do Instituto de Pesquisa Médica de Doenças Infecciosas do Exército (USAMRIID) dos EUA encontraram o vírus nos testículos, reforçando a possibilidade já aventada no surto atual de que a transmissão pode ocorrer também por relações sexuais.

O artigo foi publicado nesta segunda-feira (17) na revista científica Nature Microbiology. Em comunicado, o autor sênior do estudo, Xiankun (Kevin) Zeng, explica os achados. “Nós detectamos o vírus da varíola do macaco em células intersticiais e túbulos seminíferos dos testículos, bem como no lúmen do epidídimo, que são os locais de produção e maturação de espermatozóides.”

Em junho e julho, pesquisadores da Itália e da Espanha já haviam detectado o DNA do vírus monkeypox no sêmen de pacientes infectados. A Organização Mundial da Saúde (OMS) chegou a admitir a possibilidade de infecção pelo sexo. Tradicionalmente, sabe-se que a transmissão se dá pelo contato de pele com as lesões de alguém infectado e também de mucosas.

“A compreensão da biologia da infecção dos testículos por varíola do macaco e da eliminação do vírus no sêmen tem implicações substanciais para a saúde pública”, afirmam os pesquisadores.

Usando análise histológica para analisar microscopicamente o curso da doença em amostras de tecido, a equipe do USAMRIID descobriu que, embora o vírus da varíola do macaco tenha sido eliminado da maioria dos órgãos – e de lesões cutâneas curadas – durante a convalescença, ele pode ser detectado por até 37 dias após a exposição no testículos dos macacos.

Os pesquisadores analisaram tecidos de diversas partes dos corpos dos primatas e descobriram que o vírus foi eliminado da maioria dos órgãos e tecidos — e de lesões de pele curadas — durante a fase de convalescença, mas foi detectado nos testículos por até 37 dias após a exposição.

“Nossos dados fornecem evidências de que o vírus da varíola do macaco pode ser derramado no sêmen durante os estágios agudos e de convalescença da doença em macacos comedores de caranguejo [a espécie usada no estudo]”, complementou Zeng, ao salientar que “parece plausível, portanto, que a transmissão humana em pacientes do sexo masculino convalescentes possa ocorrer via sêmen.”

Os autores salientam que, embora os achados sejam o primeiro passo para alguns entendimentos mais aprofundados sobre a doença, são necessários mais estudos sobre essa possível transmissão do vírus monkeypox no sêmen. Um dos motivos é porque o comportamento da doença nos macacos usados no estudo se mostrou diferente do observado na maioria dos humanos.

“Os animais demonstram uma doença mais grave e letal do que a observada em humanos, e o período de incubação nos animais é menor. Além disso, este estudo utilizou amostras de animais expostos a isolados virais diferentes da cepa atualmente circulante”, observam no comunicado.

Por precaução, autoridades sanitárias recomendam que homens infectados pelo vírus monkeypox utilizem preservativos nas relações sexuais de dois a três meses após estarem curados.

Fonte: D24am

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Descubra mais sobre AM 24h

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading